PUBLICO.PT

PÚBLICO: Edição Impressa Versão para cegos
22 de Março de 2011 - 16h29

Secções PÚBLICO Edição Impressa: ÍNDICE DESTAQUE, PORTUGAL, ECONOMIA, MUNDO, CIÊNCIAS, CULTURA, DESPORTO, Espaço Público,

Futebol internacional
Ganhou o Manchester City. Acabou a Premier League?
Por Marco Vaza

O tão esperado duelo entre Mourinho e Guardiola foi favorável ao catalão. Diferença entre os dois passou a ser de 11 pontos. Barcelona continua tranquilo em Espanha, Nápoles falha assalto à liderança em Itália

Com mais de meia época ainda por disputar, seria precipitado chamar a qualquer jogo o "jogo do título", mas era exactamente o que este derby de Manchester, em Old Trafford, entre o United e o City representava. E foi o que acabou por acontecer. Ganharam os "citizens" por 1-2 e a equipa de Pep Guardiola passou a ter 11 pontos de vantagem sobre a de José Mourinho. "Game over" na luta pelo título em Inglaterra?

É cedo para dizer, claro, porque ainda faltam 22 jornadas para acabar o campeonato, mas, se o City continuar neste ritmo, ninguém vai conseguir aproximar-se. Em 16 jornadas, os "azuis" de Manchester só cederam um empate - frente ao Everton, na segunda jornada - e o jogo de ontem em Old Trafford foi a sua 14.ª vitória consecutiva. Têm 46 pontos, o United tem 35 e o campeão Chelsea, que perdeu com o West Ham, tem 32, uma pontuação que já levou Antonio Conte, treinador dos "blues" de Londres, a desistir da luta pelo título.

Mourinho foi mais ousado do que é costume e apresentou-se com uma equipa ofensiva, com Lukaku, Lingard, Rashford e Martial de início. Mas pouca iniciativa de jogo teve perante o domínio territorial do City, que também não conseguiu muitas aproximações à baliza de David de Gea. Perto do final da primeira parte, o jogo animou. Aos 43", na sequência de um canto, David Silva aproveitou da melhor maneira um passe de Otamendi para inaugurar o marcador. O United não demorou muito a responder e, nos últimos instantes do tempo de compensação, conseguiu empatar, por Rashford, depois de um erro tremendo de Fabian Delph.

Na segunda parte, quando o United parecia com maior vontade de atacar a baliza de Ederson, foi o City a colocar-se de novo em vantagem, e de novo de uma forma bastante atabalhoada para uma equipa que preza muito a nota artística. Aos 54", bola na área do United, Lukaku, em missão defensiva, é desastrado no alívio e Otamendi aproveita para fazer o 1-2. A este golo os "red devils" já não conseguiram responder, apesar de várias tentativas, e Mourinho acabou mesmo por perder para o "velho" rival Guardiola neste 20.º embate entre os dois. O catalão já estava em vantagem neste particular e passou a ter nove vitórias sobre o treinador português. A de ontem talvez tenha valido um título.

Nápoles não aproveita

Era uma oportunidade rara, a de ganhar pontos aos dois rivais e, ao mesmo tempo, reassumir a liderança da Série A, mas o Nápoles não a aproveitou. Ontem, a formação orientada por Maurizio Sarri ficou-se por um empate sem golos no San Paolo, frente à Fiorentina, em jogo da 16.ª jornada da Liga italiana. Foi o culminar de uma semana terrível, que começara com uma derrota frente à Juventus, que tirara o Nápoles da liderança, e que prosseguiu com o desaire em Roterdão com o Feyenoord e consequente afastamento da Liga dos Campeões.

Depois do empate sem golos no sábado entre Inter e Juventus, a liderança estava à mercê dos napolitanos, mas estes, com Mário Rui a titular no lado esquerdo da defesa, não conseguiram quebrar a resistência da equipa de Florença, que teve Bruno Gaspar e Gil Dias a entrar na segunda parte. Este nulo no San Paolo significa que o Inter continua a ser líder, com 39 pontos, mais um que o Nápoles (38) e mais dois que a campeã Juventus (37).

A Roma também desperdiçou a oportunidade de se aproximar da frente ao não conseguir melhor que um empate sem golos em Verona, frente ao Chievo. Os romanos seguem em quarto, com 35 pontos, e menos um jogo que o trio da frente.

Barcelona só contra dez

Depois da gestão de recursos na Liga dos Campeões frente ao Sporting, o Barcelona voltou à sua fórmula habitual na Liga espanhola, mas teve muitas dificuldades para derrotar o Villarreal, na 15.ª jornada. Apenas na segunda parte, e contra dez, é que a formação catalã conseguiu desbloquear o jogo, com Luis Suárez a abrir caminho e Messi a fechar a contagem para um triunfo por 0-2, no El Madrigal, que garante a folga da equipa na liderança depois dos triunfos dos principais rivais.

Rúben Semedo voltou a jogar pelo "submarino amarelo" mais de dois meses depois da sua última aparição e ajudou ao esforço defensivo do Villarreal numa primeira parte que terminou com um nulo - o antigo defesa do Sporting saiu lesionado pouco depois do reinício do jogo. Mas só depois da expulsão de Raba, aos 60", devido a uma falta muito dura sobre Busquets, é que o Barcelona conseguiu o triunfo. Suárez fez o 0-1 aos 72" após boa combinação com Paco Alcácer, o inevitável Messi fez o 0-2 aos 83".

Depois desta ronda, continuam a ser cinco os pontos de vantagem do Barcelona (39) sobre o Valência (34), sendo que o terceiro classificado também continua a ser o Atlético Madrid (33), depois de um triunfo difícil (0-1) sobre o Betis.



Fim

© Copyright PÚBLICO Comunicação Social SA