PUBLICO.PT

PÚBLICO: Edição Impressa Versão para cegos
22 de Março de 2011 - 16h29

Secções PÚBLICO Edição Impressa: ÍNDICE DESTAQUE, ECONOMIA, MUNDO, CIÊNCIA, CULTURA, DESPORTO, ESPAÇO PÚBLICO, ÚLTIMA, POLÍTICA, LOCAL, ROTEIROS, SOCIEDADE,

Um terço do país com níveis elevados de perigosidade de incêndio rural
Por Ana Rita Moutinho

Avaliação diz respeito a Portugal continental. Especialista critica critérios usados pelo ICNF na carta de perigosidade

Um terço do território continental português (33,4%) apresenta níveis altos de perigosidade de incêndio rural. A informação surge na carta de perigosidade estrutural, referente à década de 2020-2030, divulgada pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). No documento são destacadas como zonas críticas as serras do Alto Minho e do Gerês, os planaltos e serras do norte da Beira, a serra da Estrela e o Pinhal Interior, assim como as serras algarvias (Monchique e Caldeirão). Para além destas regiões, são também assinaladas zonas que na última década foram recorrentes na ocorrência de grandes incêndios, tais como o Maciço Estremenho e Médio Tejo.

Nestes territórios, o solo é ocupado predominantemente por pinheiros-bravos, eucaliptos, carvalhos, castanheiros e por espécies invasoras como as acácias. Os matos e outra vegetação esparsa completam a lista. Segundo a informação disponibilizada pelo ICNF ao PÚBLICO, a carta de perigosidade estrutural "tem contribuído para a definição de zonas prioritárias de intervenção", nomeadamente "no planeamento e da instalação de infra-estruturas destinadas à referida prevenção e ao apoio ao combate" a fogos rurais. No entanto, Emanuel Oliveira, consultor na área dos incêndios florestais e membro do Observatório Técnico Independente, duvida da utilidade do instrumento para a "prevenção estrutural ou prevenção operacional", em grande parte devido aos critérios pouco claros que compõem a metodologia usada. "Não é muito produtiva e vale muito pouco."

Para esta referenciação, o ICNF, em colaboração com Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (pertencente à Universidade de Lisboa), com a Direcção-Geral do Território e o Instituto Superior de Agronomia, partiu de variáveis como a ocupação do solo, o declive, a altitude e a cartografia de áreas ardidas ao longo dos últimos anos. Emanuel Oliveira contesta esta escolha, especialmente no que diz respeito à inclusão das áreas ardidas.

"Temos situações em que um território que é muitas vezes percorrido pelo fogo é considerado mais perigoso, de maior perigosidade. Mas se [os territórios] arderam no ano passado ou há dois anos, como é que vão arder novamente? Não têm condições para isso", ressalva. Em oposição, "territórios que nunca arderam" e que, consequentemente, "têm maior acumulação de combustível e uma estrutura de combustível muitas vezes muito perigosa" são categorizados como sendo "de baixa perigosidade".

Para o técnico, esta lógica de avaliação está "completamente invertida", já que são estas situações (não referenciadas) que "vão trazer-nos problemas". Para ilustrar o seu ponto, serve-se do exemplo do incêndio de Vila de Rei e Mação ocorrido em 2019. "Terminou na área ardida de 2017. O comportamento do fogo foi diferente, o que permitiu às equipas de combate extingui-lo mais facilmente". Defende, por isso, "outra forma de analisar o território face à vulnerabilidade aos incêndios rurais".

"Modelos de combustíveis"

Simultaneamente, há factores que não são incluídos na avaliação que está na origem da carta de perigosidade estrutural divulgada pelo ICNF e que para Emanuel Oliveira "estão a faltar". São eles os "modelos de combustíveis", a "exposição solar" desses mesmos combustíveis e o "retorno" (a potencialidade de um incêndio regressar a um determinado território). Uma lacuna olhada com estranheza pelo técnico, mas também pelo observatório que integra. "São componentes essenciais para analisarmos a vulnerabilidade ou a perigosidade do território que não são tidas em conta", acrescenta.

Dos critérios considerados pelo ICNF, apenas a ocupação do solo e as áreas ardidas são considerados critérios com evolução temporal, pelo que não é possível apontar "grandes variações" nas últimas décadas no que diz respeito às áreas de risco - Sotavento algarvio e a serra do Caldeirão apresentam-se como as únicas excepções. Apesar da relativa estagnação, constata-se uma relação de causalidade entre o "processo de despovoamento e abandono do espaço" e as zonas que nos últimos anos evoluíram para um nível mais alto do índice de perigosidade.

Uma realidade que para Emanuel Oliveira irá levar ao "incremento e agravamento das condições" potenciadoras de incêndios florestais em Portugal "já nas próximas décadas", e que resultará em incêndios "muitos mais graves". "Enquanto técnico de fogo controlado, eu não sou capaz de me substituir a uma comunidade pastoril onde se faz muito mais fogo, ainda que ilegal, e, desta forma, moldar a paisagem, fazer a gestão de combustível e a renovação da pastagem. Eu não sou capaz de fazer isso como eles, com a mesma dimensão ou com a disponibilidade de tempo. Precisamos de gente."



Fim

© Copyright PÚBLICO Comunicação Social SA